A solução inesperada

Helio Lemes

Geralmente em uma crise, o mercado imobiliário é o primeiro a sentir. É que, quase sempre, as vendas desse tipo de produto são realizadas a longo prazo e, como as pessoas precisam manter as obrigações financeiras relativas à assistência imediata – tais como alimentação, saúde, educação e outros -, a aquisição de imóveis acaba sofrendo mais nos momentos de crise.

Além de, geralmente, ser o primeiro a sentir uma crise, é o último a se recuperar dela, pois as pessoas só voltam a investir em imóveis quando sentem segurança e solidez suficientes para arcarem com tal investimento. Assim aconteceu, por exemplo, na crise econômica e política vivenciada pelo país entre o fim de 2014 e o ano de 2018. Ocorre que o cenário atual vem se desenvolvendo de maneira diferente.

O que temos observado na crise econômica, social e de saúde que estamos enfrentando é um mercado imobiliário cada vez mais sólido, resiliente e, extremamente, aquecido.

Existem algumas explicações para esse fenômeno. A primeira delas se dá pelo fato de nos encontrarmos em um momento no qual a taxa Selic se estabelece extremamente baixa, o que incentiva a aquisição de empréstimos e consequentemente financiamentos imobiliários. A segunda diz respeito ao efeito reverso provado pela pandemia da Covid 19. Explico: com a taxa Selic baixa e as aplicações financeiras pouco rentabilizando, aliado ao temor de parte da população de interferência estatal nas aplicações financeiras dos cidadãos, o investimento em imóveis passou a ser uma excelente opção para quem quer segurança no investimento e tranquilidade em ter realizado uma boa aplicação financeira, sem riscos e oscilações, no pós-pandemia.

Assim, esse bem tão precioso e sonho de inúmeras famílias brasileiras, já que a maioria da população adquire durante toda sua vida um único imóvel, vem ganhando mais força. Aos poucos, o setor imobiliário vem mostrando ser um dos principais setores no enfrentamento da crise que atualmente vivemos. Vejo aí, nesse segmento, pelo menos 5 anos de grande fluxo e picos cada vez maiores de vendas.

Deixe uma resposta

Next Post

CVC retoma voos fretados para temporada de verão no Brasil

Maior operadora de viagens do país terá 150 voos fretados exclusivos para a alta temporada, que decolarão e chegarão em mais de 15 cidades brasileiras, entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021. CVC lidera a retomada do turismo doméstico com o apoio de toda a cadeia de hotéis, resorts, pousadas, empresas de turismo receptivos do Brasil e companhias aéreas, seguindo todos os protocolos de segurança

Subscribe US Now

%d blogueiros gostam disto: