Comerciantes fazem manifestação por aumento abusivo no Ceasa

Os comerciantes do Centrais de Abastecimentos de Goiás (Ceasa-GO) fizeram uma manifestação nesta quinta-feira (6/2) para cobrar explicações da direção do Ceasa, sobre um aumento no aluguel do espaço que eles usam para trabalhar sem serem avisados.

O comerciante Pedro Henrique e um dos representantes da manifestação conversou com a reportagem do Hora News e explicou a situação. E o detalhe é que a briga não é de hoje, pois há algum tempo existe essa confusão entre os comerciantes e a direção para usar um espaço de três metros para poder arrumar a mercadoria.

De acordo com o comerciante no início a direção queria tirar os trabalhadores do local, para poder usar como estacionamento, mas no decorrer do tempo percebeu que não seria possível fazer isso, uma vez que eles utilizam o espaço denominado como “Pedra” para poder selecionar a mercadoria e arrumar as bancas.

Pedro Henrique informou ainda que no início a direção do Ceasa queria cobrar dos comerciantes para usar o espaço, mas o que não foi aceito por eles. “A direção do Ceasa vendo que não ia conseguir nos tirar do local, passou a cobrar R$ 518, e como todo ano tem o reajuste nós já esperávamos, mas geralmente ele era de R$ 15 reais, e não de quase R$ 300 como nós recebemos o boleto essa semana”, explica.

De acordo com o comerciante ninguém foi avisado sobre o aumento. “Acontece que aqui cada comerciante que está na área externa por exemplo são 96 pedras, fora os que estão dentro da pedra, e cada um desses tem até três funcionários, caso o aumento persista, cerca de 400 pessoas irão ficar sem emprego”, salienta um dos representantes da manifestação.

Outro comerciante que fica em uma dessas pedras afirmou que não dá conta de pagar esse aumento, e que o valor de R$ 518 por sí só já é puxado para eles. “Para você ter uma ideia se o aumento persiste eu que vou ter que comercializar, arrumar e entregar a mercadoria, pois não vou dar conta de pagar funcionário.

O Hora News entrou em contato por telefone com a assessoria do Ceasa, mas até a publicação desta matéria nenhuma das ligações foram atendidas. O espaço fica aberto para que eles possam se posicionar sobre o assunto.

Helio Lemes

apaixonado pela vida e pelos esportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: