“Não nos apontem o dedo”, diz deputado Zé Mário sobre Amazônia

Hora News

No Congresso Brasileiro do Algodão, Zé Mário Schreiner disse que eventuais incêndios criminosos são caso de polícia, sem nada a ver com o produtor rural

O deputado federal Zé Mário (DEM), presidente da Federação da
Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) disse, nesta terça-feira (27),
que eventuais incêndios criminosos na Amazônia são caso de lei e de
polícia e que não tem a ver com a produção rural. Ele fez a afirmação
durante a abertura do 12º Congresso Brasileiro do Algodão,
promovido pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão
(Abrapa), em Goiânia (GO).

“Não nos apontem o dedo”, disse o parlamentar, que na ocasião
representou a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil
(CNA). “Ações criminosas são caso de polícia, de lei. Não é o produtor
rural”, acrescentou, sugerindo que as críticas à produção
agropecuária brasileira por conta da situação da Amazônia estejam
ligadas interesses comerciais.

Zé Mário argumentou que, quando se vê a ocorrência de incêndios
florestais em nações da Europa ou nos Estados Unidos, há um
“sentimento de dó” do que acontece. No entanto, diante do que
ocorre atualmente no Brasil, “nos apontam o dedo e nos acusam”.
Por essa razão, é feita uma defesa, que chamou de intransigente de o
agronegócio não compactua com ações ilegais.

Deixe uma resposta

Next Post

Confira as notícias da FIEG do último dia 28

Programa Conhecendo a Indústria A Confederação Nacional da Indústria (CNI) realiza, nesta quinta e sexta-feira, em Goiás, a 36ª edição do Programa Conhecendo a Indústria, que consiste em visitas técnicas de servidores públicos e autoridades governamentais às instalações do Sistema Indústria. A proposta é apresentar os modelos de gestão, inovação […]

“Não nos apontem o dedo”, diz deputado Zé Mário sobre Amazônia

Hora News

No Congresso Brasileiro do Algodão, Zé Mário Schreiner disse que eventuais incêndios criminosos são caso de polícia, sem nada a ver com o produtor rural

O deputado federal Zé Mário (DEM), presidente da Federação da
Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) disse, nesta terça-feira (27),
que eventuais incêndios criminosos na Amazônia são caso de lei e de
polícia e que não tem a ver com a produção rural. Ele fez a afirmação
durante a abertura do 12º Congresso Brasileiro do Algodão,
promovido pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão
(Abrapa), em Goiânia (GO).

“Não nos apontem o dedo”, disse o parlamentar, que na ocasião
representou a Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil
(CNA). “Ações criminosas são caso de polícia, de lei. Não é o produtor
rural”, acrescentou, sugerindo que as críticas à produção
agropecuária brasileira por conta da situação da Amazônia estejam
ligadas interesses comerciais.

Zé Mário argumentou que, quando se vê a ocorrência de incêndios
florestais em nações da Europa ou nos Estados Unidos, há um
“sentimento de dó” do que acontece. No entanto, diante do que
ocorre atualmente no Brasil, “nos apontam o dedo e nos acusam”.
Por essa razão, é feita uma defesa, que chamou de intransigente de o
agronegócio não compactua com ações ilegais.

Deixe uma resposta

Next Post

Confira as notícias da FIEG do último dia 28

Programa Conhecendo a Indústria A Confederação Nacional da Indústria (CNI) realiza, nesta quinta e sexta-feira, em Goiás, a 36ª edição do Programa Conhecendo a Indústria, que consiste em visitas técnicas de servidores públicos e autoridades governamentais às instalações do Sistema Indústria. A proposta é apresentar os modelos de gestão, inovação […]

Subscribe US Now

%d blogueiros gostam disto: